Ligação invisível, poupanças de energia evidentes: London’s Haringey Goes Smart

É invulgar nas nossas viagens não vermos uma solução Schréder. As curvas elegantes das nossas luminárias são admiradas em todo o lado, de Lisboa a Rio de Janeiro, passando por Lisboa ou Roma. Iluminamos pontes, túneis e monumentos em todo o mundo. Desde o início do século, a Internet revolucionou a indústria global - incluindo o setor da iluminação. Em particular, a Internet das Coisas (IoT) oferece possibilidades sem precedentes para ligar luminárias, sensores e sistemas.


A Schréder 360 é uma iniciativa em que ouvimos proprietários e gestores de projetos, utilizadores finais e os nossos próprios engenheiros sobre a génese de soluções inovadoras, desde linhas costeiras a cidades. Nesta edição, vamos conhecer uma solução que não se vê - mas onde a diferença é óbvia. O London Borough of Haringey selecionou a Schréder EXEDRA para reunir 15.000 pontos de luz num único sistema conectado, onde pode otimizar os níveis de iluminação, reduzir as emissões de carbono e manter os ativos de iluminação sem problemas.
 

Construindo sobre uma tradição de inovação 

O Conselho de Haringey, um dos 32 distritos administrativos de Londres, presta uma série de serviços aos seus 270 000 residentes, incluindo a iluminação pública, que desempenha um papel importante para ajudar as pessoas a sentirem-se seguras. É o lar do Alexandra Palace, de onde a BBC emitiu pela primeira vez na década de 1930; orgulhosamente iluminado, o monumento é um marco noturno da cidade.

Durante a última década, Haringey, tal como grande parte do Reino Unido, fez a transição dos antigos sistemas de sódio e HID para tecnologia LED, poupando energia e dinheiro aos residentes. As soluções IoT desenvolveram-se desde então: oferecem uma maior poupança de energia, mais conforto visual para os residentes e visitantes, e podem mesmo formar a espinha dorsal de um sistema de cidade inteligente. Em 2020, Haringey decidiu instalar uma solução de iluminação inteligente, onde as luminárias são controladas por um Sistema Central de Gestão (CMS) - um contrato ganho pela Schréder. 
 
Um CMS liga a infraestrutura de iluminação pública através de nós ligados à luminária, permitindo aos proprietários controlar uma carteira de ativos. A utilização de energia e as emissões de carbono CO2 serão reduzidas através da prestação de um serviço de iluminação eficiente, sustentável e económico, controlado e mantido pelo CMS, de acordo com as normas britânicas. O sistema também deteta problemas nos equipamentos e ajusta a iluminação em áreas especificas para apoiar a comunidade local.
 

Dois objetivos, soluções inteligentes  

"Há dois elementos no projeto", explica Clare Thomas, Chefe de Aplicações e Soluções - Urbis Schréder. "Há a gestão de energia, e há o elemento ligado". Ao assegurar que cada luminária tem um nó e ligando-as à Schréder EXEDRA, Haringey pode realmente assumir o controlo dos seus ativos.

Como temos um vasto conhecimento sobre iluminação, em vez de sermos apenas uma empresa de controlo, pudemos aconselhá-los sobre como otimizar a utilização de energia, mas também pensar em como poderiam gerir a sua iluminação para proporcionar benefícios adicionais aos seus residentes.

Clare Thomas - Head of Applications & Solutions - Urbis Schréder
Clare Thomas
Chefe de Aplicações e Soluções - Urbis Schréder

Conseguir estas duas mudanças implica aumentar a eficiência através da utilização de uma gama de materiais de qualidade e de uma gestão de alto nível da manutenção - o que, por sua vez reduz perturbações na via pública. Tudo isto conduz a um ambiente mais seguro e mais inclusivo.
 
Centros globais como Londres têm-se esforçado por poupar energia e reduzir as emissões de carbono: as cidades são responsáveis por mais de 70% das emissões globais de CO2 e os líderes urbanos estão a recorrer a soluções inovadoras para desempenharem o seu papel na luta contra as alterações climáticas. O Presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, estabeleceu um objetivo para que Londres seja zero carbono líquido até 2030 e as escolhas de iluminação podem desempenhar um papel vital para alcançar este objetivo.
 

Diversos ativos, múltiplos intervenientes

Os ativos de iluminação de Haringey eram vários, para dizer o mínimo, com cerca de 20.000 pontos de iluminação pública. "Alguns dos candeeiros de rua são Schréder, outros não", explica Thomas. "A principal prioridade é que estamos a ligar tudo isso, para que possam otimizar o controlo e a gestão dos ativos que já possuem."
 
Com a interoperabilidade no centro da abordagem da Schréder, isso significava reunir toda a gente. A TRT que fabricou cerca de metade das luminárias em Haringey, a Marlborough responsável pela manutenção e a cidade como responsável final. "Tivemos de reunir toda a gente à volta da mesa o mais rapidamente possível, para resolver quaisquer problemas", recorda Carol O'Gowans, Directora da Ollume, uma consultora de iluminação, que trabalhou para o Concelho de Haringey no projeto. 
 
Haringey é uma área diversificada, com alguns dos bairros residenciais mais encantadores de Londres, como Crouch End e Muswell Hill. Inclui também outros onde a melhoria do ambiente após o anoitecer é uma preocupação. "Fomos ao local para investigar os níveis de iluminação existentes numa variedade de áreas", recorda Thomas, o que envolveu ver como a iluminação afeta a perceção de segurança das pessoas e o impacto social de uma iluminação eficaz. "Trata-se de descobrir o que o cliente precisa."

The streets of Haringey are now lit with a connected system to ensure safety for all with less energy

No centro deste processo, esteve a pesquisa sobre o que os residentes queriam, aproveitando o seu conhecimento local sobre áreas onde os níveis de iluminação pública poderiam ser melhorados. A mudança para um CMS significa que a iluminação pode ser instantaneamente ajustada para apoiar a comunidade local.

"Os residentes disseram-nos que a iluminação pública pode melhorar a segurança, resolver problemas de comportamento antissocial, despejo de resíduos e criminalidade. Também pode incentivar as pessoas a utilizar os transportes públicos ou a andar mais a pé", afirmou a Vereadora Seema Chandwani, Membro do Gabinete para a Luta contra a Desigualdade e Serviços aos Residentes. "Estou muito satisfeita por estarmos a investir na melhoria dos níveis de iluminação pública em todo o bairro."
 

Mudar a luz, sem mudar a iluminação 

Em iluminação, mais não significa automaticamente melhor. A iluminação excessiva não só desperdiça energia e emite carbono, como também cria poluição visual. Além disso, afeta a flora e a fauna locais e impede uma visão clara das estrelas. "Quando passámos numa estrada às 23h30, encontrámos uma iluminação que era brilhante para a área, mas que estava em conformidade com as normas britânicas na altura da conceção", recorda O'Gowans de uma visita ao local.

"Estamos a adaptar os níveis de iluminação ao que está a acontecer no local e no momento, estamos a otimizar a utilização de energia, é uma forma muito inteligente de trabalhar", explica Thomas da Schréder. Como parte da instalação e funcionamento do CMS, a equipa começou a a analizar os níveis de luz adequados. A uniformidade é o fator mais importante para as áreas residenciais, evitando o encandeamento e os pontos escuros entre as lanternas.

Por vezes, os níveis de iluminação também precisam de ser aumentados. Haringey é a casa do Tottenham Hotspur Football Club, um dos maiores nomes da Premier League. Se houver um jogo e houver muitos residentes e visitantes a regressar à estação de comboios, a iluminação pode ser aumentada para ajudar as pessoas a regressar a casa depois do jogo.

A chave é que a iluminação seja reativa e adaptável, e que a uniformidade seja mais importante do que a simples emissão de luz.

Efetuámos uma experiência durante seis semanas com vários níveis de iluminação, garantindo a uniformidade calculada e poupando energia. Os resultados mostraram que os residentes se limitaram a fazer o seu trabalho.


 

Carol McGowan - Director - Ollume Lighting Consultancy
Carol O’Gowans
Director - Ollume Consultoria em Iluminação

Um triunfo para a uniformidade - e para a iluminação ligada.

Algumas surpresas

Parte da abordagem holística da Schréder é que trabalhamos com os clientes para desenvolver soluções face aos desafios técnicos, o que significa que cada ponto de luz está conectado. Uma vez que Haringey tinha adotado uma abordagem à prova de futuro, já tinha investido em cerca de 8.000 luminárias prontas a conectar. Optaram por tomadas NEMA e conseguimos instalar os nós a um ritmo de 1.000 por semana, uma fração do tempo que foi necessário para atualizar as luminárias antigas.
 
Outras 7.000 luminárias não tinham uma tomada de nó, mas um orifício de 20 mm para acomodar uma fotocélula em miniatura, pelo que a Urbis Schréder desenvolveu um processo para integrar estes ativos. Isto implicou uma intervenção manual para ligar fisicamente o nó a cada luminária. Porque acreditamos na interoperabilidade e na escolha, houve uma divisão 50/50 entre luminárias Schréder e não Schréder - mas conseguimos ligá-las todas.

E não é tudo. Num bairro tão variado como Haringey, que tem parques atraentes, ruas comerciais movimentadas e excelentes ligações de transportes, há muitos ativos de iluminação. A nossa equipa ligou nós OWLET antigos, luminárias decorativas com uma ligação Zhaga, nós de terceiros e sinais de rua. No processo de integração das várias luminárias e do sistema de gestão de ativos existentes em Haringey, Clare Thomas acrescenta, "descobrimos que, em alguns casos, o que eles pensavam que tinham não era exatamente o que tinham obtido.... tornou a vida bastante interessante!"
 
Isto reflete a vantagem de instalar luminárias prontas a conectar. A compra de soluções de iluminação que vêm com uma tomada, ou um nó pré-instalado, é uma ótima escolha para as autoridades locais que querem atualizar a sua iluminação, mas não querem instalar um CMS de imediato. As luminárias prontas a conectar foram a parte mais fácil - e mais rentável - do projeto.
 

Soluções inteligentes à prova de futuro

A configuração do CMS cria opções para o futuro. Sensores de poluição, medição de volumes de tráfego, um alerta para limpar as estradas se as temperaturas descerem abaixo de um determinado nível... as possibilidades são infinitas. A equipa da Schréder já está a explorar a forma como a iluminação pode ser integrada com a iluminação de segurança rodoviária, balizadores Belisha, passadeiras, sinais iluminados e bollards. "A longo prazo, já sabemos o que vai ser? Não, mas faz parte do trabalho em conjunto podermos desenvolver esses casos de utilização que proporcionarão um valor tangível", entusiasma-se Thomas.
 
Também representa uma poupança na manutenção: em vez de os chamados "batedores noturnos" irem em patrulha para detetar falhas - o que significa que podem passar despercebidas durante várias semanas - as falhas são comunicadas em tempo real pelo próprio ativo. E quando é acrescentada nova iluminação, esta passa automaticamente a fazer parte do sistema.

 "Não é apenas a iluminação, é a abordagem colaborativa", afirma Thomas. "Também tem sido uma experiência de aprendizagem para nós." Investir no CMS significa também ligar dados, serviços e apoio.

É aqui que é realmente importante ter uma compreensão mais profunda da iluminação. Pensamos nisso, não como um jogo de computador, não apenas como manchas coloridas num ecrã, mas estamos conscientes de que isso afeta as pessoas que aí vivem e trabalham.

Clare Thomas - Head of Applications & Solutions - Urbis Schréder
Clare Thomas
Chefe de Aplicações e Soluções - Urbis Schréder

E também os futuros engenheiros 

Os engenheiros da Schréder são fundamentais no que fazemos, e ficámos muito satisfeitos por o pessoal envolvido no projeto ter participado no Projeto Minecraft Streetbuilders, em parceria com Haringey e Blockbuilders. O workshop faz parte do programa Ingenious da Royal Academy of Engineering e tem como objetivo sensibilizar para a diversidade, natureza e impacto da engenharia entre pessoas de todas as idades e origens.

"Falámos com um grupo de adolescentes sobre uma rua e como a desenvolveríamos", explica O'Gowans. "Para os pôr a pensar neste tipo de design pela primeira vez... há tantas funções, a equipa de design urbano, a equipa de paisagismo, a equipa de iluminação, os engenheiros civis, os engenheiros estruturais". Programas como o Streetbuilders baseiam-se no nosso valor "Together for Our People"; a engenharia é uma ótima escolha de carreira e uma vasta reserva de talentos dá à nossa indústria mais indivíduos qualificados para escolher.
 

Viver, Trabalhar, Andar de Bicicleta

Os residentes notaram as mudanças subtis e apreciam-nas. Sheila Hanlon, que vive em Crouch End há 12 anos, mudou-se recentemente de uma das ruas mais comerciais da zona para uma residencial. "Sou canadiana, por isso é claro que saí à rua no meio de uma tempestade de neve", explica. "Reparei que a luminária iluminava perfeitamente cada floco de neve, com o céu escuro por trás."  A iluminação otimizada nas ruas residenciais faz com que os peões se sintam seguros e confortáveis.

A janela do nosso quarto fica na parte da frente da casa e podemos dormir confortavelmente à noite sem estores opacos. A qualidade da luz é mais agradável, não é demasiado brilhante.

Sheila Hanlon - Resident, Haringey
Sheila Hanlon
Residente - Haringey

Hanlon, uma ciclista entusiasta que estuda a história das mulheres e do ciclismo, vê as melhorias como parte de uma mudança mais ampla no sentido de tornar Londres um lugar mais amigável para as bicicletas. "As ruas londrinas costumavam ser demasiado escuras para se dar um passeio noturno em segurança, que é uma das minhas coisas preferidas para fazer de bicicleta", diz ela. Agora, vai e volta do trabalho de bicicleta, atravessa Hampstead Heath e vai regularmente até ao Alexandra Palace Park. A iluminação eficaz das ciclovias que atravessam os parques pode fazer uma enorme diferença, acrescenta. "O Finsbury Park está visivelmente mais iluminado, por isso sinto-me mais segura a andar de bicicleta", observa.

The London borough of Haringey has gone smart to save energy without compromising safety


Mudanças Invisíveis, Resultados Reais

Os resultados iniciais mostram que as poupanças de energia chegam a 60% em algumas ruas - o que significa que Haringey está a desempenhar o seu papel para levar Londres ao carbono zero. Os residentes estão satisfeitos e as ruas estão bem iluminadas. 

Seria bom ver visualmente as mudanças que o CMS fez em Haringey, uma fotografia do antes e do depois, por exemplo, mas isso não é tão óbvio com um CMS. Com a instalação do CMS, todas as ruas estão em conformidade com os atuais níveis de iluminação das normas britânicas, o inventário está atualizado e a capacidade de controlar, monitorizar e poupar é otimizada.

Carol O’Gowans
Director - Ollume Consultoria em Iluminação